TEMPO DE RECONHECIMENTOS

No dia 25 de abril o Sala Preta foi homenageado pela FEBACLA – Federação Brasileira dos Acadêmicos de Ciências Letras e Artes. A homenagem destacou a contribuição do coletivo para a preservação da arte e da cultura fluminense, mas especialmente pela realização de projetos como o NASCE UMA CIDADE e a TOMADA URBANA.
Vale lembrar que o Sala Preta também é uma das organizações indicadas ao Prêmio de Cultura do Governo do Estado do Rio de Janeiro, e os premiados serão conhecidos no dia 10 de maio. Aproveitamos para agradecer a todos que acreditam em nossos projetos e que contribuem para esse reconhecimento!

Medalha em homenagem concedida pela FEBACLA, pelas mãos de seu presidente, o Dr. Alexandre da Silva Camêlo Rurikovich Carvalho em cerimônia no auditório do SEST/SENAT em Barra Mansa. Quem nos representou foi o produtor Bravo. Foto: Rafael Crooz

Medalha em homenagem concedida pela FEBACLA, pelas mãos de seu presidente, o Dr. Alexandre da Silva Camêlo Rurikovich Carvalho em cerimônia no auditório do SEST/SENAT em Barra Mansa. Quem nos representou foi o produtor Bravo. Foto: Rafael Crooz

Medalha em homenagem concedida pela FEBACLA, pelas mãos de seu presidente, o Dr. Alexandre da Silva Camêlo Rurikovich Carvalho em cerimônia no auditório do SEST/SENAT em Barra Mansa. Quem nos representou foi o produtor Bravo. Foto: Rafael Crooz

Medalha em homenagem concedida pela FEBACLA, pelas mãos de seu presidente, o Dr. Alexandre da Silva Camêlo Rurikovich Carvalho em cerimônia no auditório do SEST/SENAT em Barra Mansa. Quem nos representou foi o produtor Bravo. Foto: Rafael Crooz

1275101_550878354974860_2028018365_o

Três amigos que viajam pelo mundo e se deparam com os desafios da sobrevivência e com problemas cotidianos da humanidade. O espetáculo “Muito além do jardim” será encenado neste domingo, 6, no Gacemss (Grêmio Artístico e Cultural Edmundo de Macedo Soares e Silva), em Volta Redonda. São duas sessões: às 11h e 16h30.

A promoção é do Coletivo Teatral Sala Preta e da Caravana de Teatro Infantil.

A história mostra as principais inquietações dos três aventureiros: o uso consciente da sacola plástica e o tratamento de resíduos, como o óleo de cozinha, habitualmente descartado pelos ralos das pias. “Com muito bom humor e imaginação, a peça destaca a importância da consciência ambiental e como as mudanças de hábitos poderão oferecer novas posturas diante do processo de degradação ambiental”, consta no material de divulgação da peça.

Quem é quem no espetáculo

. Elenco 1: Bianco Marques, Rafael Crooz e Suzana Zana
. Elenco 2: Thiago Delleprane, Danilo Nardelli e Kaline Leigue
. Direção e adaptação de texto: Nathalia Dias Gomes
. Cenografia e figurino: Davi Cunha, Lucas Fagundes, Thiago Delleprane e Nathalia Dias Gomes
. Produção: Viviane Saar
. Cenotécnica: Rafael Crooz
. Arte-gráfica: Marcelo Bravo

Serviço

> Muito além do jardim – Dia 6 DE ABRIL, no Gacemss, às 11h e 16h30. Duração: 45 minutos. Rua 14, nº 22, Vila Santa Cecília, em Volta Redonda. Telefone: (24) 3342-4202.

 

 

O final de semana de estréia do Cena Papagoiaba trouxe para o palco do Teatro Gacemss I o espetáculo Galo na Rinha,

Solidão em cena

 

Espetáculo apresenta seis personagens que vivem a solidão de forma autêntica e inusitada

Depois de estrear em Volta Redonda, cumprir temporada no Rio de Janeiro e rodar festivais pelo Brasil, o espetáculo ‘Galo na Rinha’, vencedor dos prêmios de Melhor Direção (Alexandra Garnier) e Melhor Trilha (Bianco Marques), além das indicações de Melhor Atriz (Luciene Martes) e Melhor Espetáculo, retorna aos palcos do Gacemss, dias 29 e 30, dentro do projeto Cena Papagoiaba.

Em parceria com o Coletivo Teatral Sala Preta, o Gacemss abre as portas para artistas e grupos artísticos regionais em horário nobre, todo último fim de semana de cada mês, para dar visibilidade aos trabalhos autorais e promover o encontro do artista com seu público.
O monólogo ‘Galo na Rinha’ nasceu de uma pesquisa realizada pela autora Alexandra Garnier e pela atriz voltarredondense Luciene Martes. A pesquisa consistiu da percepção da solidão humana em algumas de suas diversas formas, buscando neste ‘estado’ suas facetas dramáticas e cômicas.

O espetáculo apresenta seis personagens que vivem a solidão de forma autêntica e inusitada. Através das sutilezas de situações cotidianas, os personagens revelam seres únicos e extremamente humanos, que falam sobre diversas formas de solidão, através de abordagem comovente e bem humorada.

A humanização está na velha que sente inveja da filha; na prostituta que quer ser atriz e põe na fama a condição para sua felicidade; na garçonete que vive seus dias tão repetidamente iguais, que de tanto encaixar a bandeja, seu corpo se curvou sobre ela; na mulher que em sua loucura, profere as palavras mais sensatas; na sacoleira que mente, engana e subverte, com o único intuito de vender seus ordinários produtos; e até no anjo da guarda, que jamais seria chamado de ‘humano’, se não fossem os vícios e sentimentos como a ociosidade e a solidão herdados dos homens. Através de situações cotidianas, o espetáculo une o drama e o humor, naquilo que se pode rir e chorar, quase simultaneamente.

A atriz Luciene Martes retorna aos palcos após o monólogo ‘Apareceu a Margarida’, de Roberto Athaíde, no qual conquistou cinco prêmios de Melhor Atriz. Com experiência em roteiro e dramaturgia e em sua primeira incursão pela direção, Alexandra Garnier conta com supervisão de Sura Berditchevsky, cenário de Doris Rollemberg, iluminação de Rafael Crooz e trilha de Bianco Marques.

Ficha técnica

Texto e Direção: Alexandra Garnier
Supervisão: Sura Berditchevsky
Elenco: Luciene Martes
Cenografia: Doris Rollemberg
Cenotécnico: Ataíde Toledo
Iluminação: Rafael Crooz
Trilha musical: Bianco Marques
Preparação corporal: Rafael Crooz
Operadora de som: Wallace Fortini
Programação visual: Bruno Perlatto
Elaboração de projeto: Zane Garnier
Produção: Garnier Produções Ltda

SALA PRETA E INSTITUTO CLÉCIO PENEDO PROMOVEM PARCERIA

Nasce - SP e ICP

CIDADÃOS ARQUITETOS DA HISTÓRIA

No dia 12 de março o Coletivo Teatral Sala Preta se reuniu com o Instituto Clécio Penedo (ICP) e celebraram uma parceria para a realização do projeto Nasce Uma Cidade 2014 – Cidadãos Arquitetos da História. O objetivo é dar continuidade a uma ação que desde 2010 celebra o aniversário de Barra Mansa. Este ano o projeto além de homenagear a cidade, ainda honra dois ícones da arte brasileira, profundamente ligados ao município, Flávio de Carvalho e Clécio Penedo. O desfile cívico-cênico contará a história de Barra Mansa tomando como referência a obra desses artistas.

O encontrou ocorreu em Barra Mansa entre o ator Danilo Nardelli, presidente da Associação Coletivo Teatral Sala Preta, o produtor e vice presidente Marcelo Bravo e a Sra. Antonieta Penedo, presidente do ICP. “O que o Sala Preta propõe está perfeitamente alinhado com as propostas do ICP”, declarou Antonieta, ao destacar as ações para a promoção da cultura em Barra Mansa. “Eu sou muito entusiasmada com a juventude. Nós temos que estimular que mais jovens promovam ações como essas”, afirmou. “Nós também queremos manter viva a obra do Clécio”, afirmou Danilo, após Antonieta declarar que “este ano vamos tirar definitivamente o Clécio da sepultura”.

Para Bravo a parceria potencializará o projeto de inúmeras formas. “Quando duas organizações comprometidas com a preservação da memória e a propagação da cultura da cidade se unem muitas portas podem se abrir, tanto para a captação de recursos, quanto para a execução do projeto”, afirmou. O produtor espera ainda que outros projetos possam ser desenvolvidos a médio e longo prazo. “A cidade reconhece o legado artístico que Clécio Penedo deixou, e também já se identifica com o Sala Preta. Estamos tratando de artistas e organizações que, apesar de épocas diferentes, provocam estímulos convergentes nos setores que atuam”, concluiu.

Na ocasião a presidente do ICP apresentou os desafios que enfrenta desde sua criação no ano do falecimento de Clécio Penedo, em 2004 e ainda apontou alguns acontecimentos importantes que estão por vir em Barra Mansa. Em seguida Danilo contextualizou o projeto Nasce Uma Cidade, e revelou sobre a homenagem ao artista.  “Estamos num movimento constante de ações em rede entre atores culturais em busca de uma identidade plural no Brasil. O Clécio tem isso muito forte em sua obra. Ele buscou a identidade brasileira e fez muito disso em Barra Mansa. Por isso o Sala Preta e o ICP poderão se fortalecer muito com essa parceria”, declarou o ator.

Este ano as duas organizações planejam ações que visam ampliar a participação e atuação na cidade. O projeto Nasce Uma Cidade será a ferramenta fundamental para o fortalecimento de ambas. Um clima de entusiasmo tomou conta da reunião quando a Sra. Antonieta Penedo declarou “O Instituto Clécio Penedo vai adotar o Sala Preta. Como um filho! Eu acredito muito no trabalho de vocês, e tenho certeza que poderemos contribuir muito um com o outro”, estava firmada a parceria.

Conheça Clécio Penedo

Nascido em 14 de dezembro de 1936, na cidade de Bom Jardim, em Minas Gerais, Clécio Penedo inicia seus estudos artísticos na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, no ano de 1954, deixando-a em 1956. Como herança destes dois anos, Clécio Penedo dedica-se à pintura a óleo e, pelos dezessete anos seguintes, desenvolve grande acuidade técnica e uma pintura mimética. Mas, é no ano de 1973 que Clécio Penedo inicia sua formação artística fundamental, ao ingressar no Centro de Pesquisa e Arte, no Rio de Janeiro, estudando com Ivan Serpa e Bruno Tauz. Durante seus dois anos de estudos com o grupo, Clécio Penedo desenvolve uma pesquisa imagética interpenetrada por figuração e abstração que, em Notas de um Percurso Gráfico, evidencia-se nas séries Geróticos, Inominados e Corpo sem Cabeça. Após sua saída do Centro de Pesquisa e Arte, Clécio Penedo ingressa nos cursos de calcogravura e desenho, do Museu de Arte Moderna, também no Rio de Janeiro, com Aluízio Carvão e Eduardo Sued. Ao longo de sua juventude, Clécio Penedo vive um conturbado período histórico brasileiro, o que, mais tarde, subsidiará a constante presença, em sua obra, de temáticas sociais e culturais. Clécio Penedo foi educador, secretário de educação e diretor da então faculdade de artes do UBM (Centro Universitário de Barra Mansa). Clécio faleceu em 2004, vítima de câncer aos 67 anos.

Saiba mais sobre o Nasce Uma Cidade em www.salapreta.wix.com/nasce.

EM FEVEREIRO FORAM AS ÚLTIMAS AULAS EXPERIMENTAIS DO CURSO SALA PRETA

A partir do mês de março, as aulas experimentais e gratuitas do curso Sala Preta se encerram. As aulas experimentais tem o objetivo de apresentar o espaço de aula e os professores aos participantes e interessados no curso, sem o compromisso com a matrícula do curso regular. A partir de março, as aulas regulares iniciam e as matriculas permanecerão abertas.

Mais informações pelo telefone (+55 24) 3323 1397 ou pelo email: salapreta@gmail.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.