Arquivo

Monthly Archives: Setembro 2009

 

.

“Somos realmente, por poucos momentos, o próprio ser primitivo, sentindo seu desenfreado desejo e prazer de existência. A luta, a dor, a destruição dos fenômenos se nos apresentam como necessárias, em vista do excesso de inúmeras formas de existência, que se apressam para tomar parte da vida, em virtude da demasiada fecundidade da vontade do mundo; vemos-nos transpassados pelo aguilhão furioso destas dores no momento em que nos tornamos uno com o imenso prazer primitivo na existência e em que pressentimos a inquebratabilidade e a eternidade deste prazer em encanto dionisíaco. Apesar do medo e da compaixão, somos os que vivem ditosamente, não como indivíduos, mas sim como o uno vivente, com cuja prolificidade nós nos fundimos.”

.

Frederich Nietzsche

SÁBADO – 27 DE SET
FESTIVAL DE ESQUETES SESC BARRA MANSA
OBRA: “SIM, SENHORA…”
DIREÇÃO: DAVID CUNHA
ELENCO: BIANCO MARQUES, DANILO NARDELLI, RAFAEL CROOZ
HORA: 15H
——————————————————–
TERÇA – 29 DE SET
FACULDADE DE LETRAS – UFRJ – FUNDÃO
OBRA: “CANTOS DE EUCLIDES”
HORA: 12H

http://www.sidneyrezende.com/editoria/estadodorio
Link direto:
http://www.sidneyrezende.com/noticia/57761+barra+mansa+participa+de+homenagem+a+euclides+da+cunha

http://www.focoregional.com.br/page/plantaodtl.asp?id=11372

Informações sobre a obra vide link à cima

——————————————————–
QUINTA – 01 DE OUT
TEATRO GACEMSS – VOLTA REDONDA- RJ
OBRA: “O CASCUDO DOURADINHO EM: AMIGA LATA, AMIGO RIO”
HORA: 9H E 13H45min

Informações sobre a obra vide link à cima

——————————————————

Jornal La hora - 08 de set 2009

Jornal La hora – 08 de set 2009

Hoje li que “aquele que não resolve sair, não consegue ver as correntes que o prendem”. Nós saímos, ousamos. Fomos profissionalmente irresponsáveis. Uma irresponsabilidade crédula. Sempre acreditamos que somos capazes, nós nunca duvidamos de nós mesmos, nunca colocamos em prova a nossa competência, até porque ela mesma, a competência se coloca em prova.

.

.

.

 Foi ontem que começamos a ler um livro infantil, compor músicas, confeccionar adereços e hoje trazemos na bagagem uma experiência transcendental. Pois foi isso que fizemos, transcendemos. Sabe o que mais me encanta nisso tudo? É que não fazemos nada para provar nada a ninguém. Fazemos porque nos amamos, nos acreditamos. E sabemos que temos todas as ferramentas necessárias nas mãos: vontade, conhecimento, crença, ação, imaginação. Até hoje, tudo que dissemos que faríamos, fizemos.

.

.

.

Medio del mundo

.

O que me faz crer que não fazemos a política do ver para crer e sim de crer para ver. Nós acreditamos, logo vimos. Vimos pacificamente novos horizontes, vimos também, em Manabí, Chone. Vimos o golfo, a serra, os Andes, vulcões, as iguanas. Vimos que há vida depois do meio do mundo. E lá é onde tudo começa, segue seu rumo chega ao pólo extremo, volta à linha central e se neutraliza novamente. É o marco, onde tudo começa do zero e termina no zero. É por isso que tudo dá certo, aliás sempre as coisas dão muito certas! É uma cética sinergia louca que acompanha, coincidentemente, as fases da lua. Louco isso! Louco pensar que estamos alinhados o tempo todo. Na linha exata, 0,00,00 graus, por que à partir desse ponto, preto, tudo começou, deu início e depois foi transgredido.

.0,00,00

.

Novos Horizontes

.

Horizontes Novos

.

O prefixo trans siginifica “movimento para mais além de”, “através de”. Transgredir significa ir além de, atravessar, não seguir determinações, sejam elas de ordem ou de lei. Trans-grand-ação, transgreção. Transgredir é um verbo que sugere o ato de ir além, para mais além. A grande ação de atravessar. E nós atravessamos inúmeras vezes a linha que nos separa deste, daquele mundo de lá. Cruzamos constantemente a linha do imaginário e do real. Existe vida real além do centro do meio do mundo, além dos palcos.

.

.

E elas constam nos arquivos, os mesmos que marcam o início de tudo, a continuidade e professam o futuro. Sempre soubemos que juntos somos fortes e podemos comprovar que quando estamos verdadeiramente juntos, juntamos mais gente e pulsamos. Pulsamos juntos. Saímos do hemisfério sul pulsando na espiral anti-horária que nos levou a pulsar na terra das espirais de sentido horário e nos deixou descansar. Mas pulsamos e continuamos a pulsar. Um pulso firme que espontaneamente ajusta o arreio do cavalo e nos arriba aos céus mais distantes e cada vez mais distantes, um segurando o outro pela mão.

Juntos.

Sempre.

Obrigado por tudo!

Rafael Crooz

.

Gracias

.Plaza Civica

.

primeira estação - panamá

A caminho da estréia

A caminho da estréia