Arquivo

Monthly Archives: Outubro 2009

Vou atoar

Sou um ator do mundo

Atuando para voar

O meu cavalo alado

Embestado a ruar

Tomando em liberdade

O caminho do luar

Um brinde atoadores

Do peito o brado a pulsar

Parô Baco aiê

Parô, vou atoar

Parô Baco aiê

Parô, vou avoar

Rafael Crooz

Anúncios

Bom dia!

Acho que Cantos de Euclides é a politíca Cultural que tanto falamos, é a reunião de todos que movimentam a cultura cada qual no seu canto e se reunem para comungar juntos, esquecendo as divergências e se juntando, agrupando conseguimos parar uma cidade, isso sim é uma reunião de cultura, isso é transgressão, é a tão falada democratização da cultura. É a linguagem que nós artístas entendemos.
Parabéns a vcs loucos e destemidos e parabéns a nós mais loucos ainda que acreditamos nesse povo da Sala Preta .


Marinêz Teodoro Fernandes

——————————————————————————————–

O que aconteceu nesta terça-feira nas ruas de Volta Redonda, dificilmente irá se repetir.

davi

Foi como um eclipse.

O sol se abriu sobre nossas cabeças fazendo com que as nuvens contornassem as ruas e que tivéssmos um refletor natural, iluminando somente a cena. Uma estrela “estrelando” nosso elenco. Demos todas as energias que tínhamos e ainda utilizamos a reserva, a reserva da reserva!

Montamos nossos cavalos alados e o deixamos voar, às vezes nos degladiamos com esse cavalo e tomamos seu lugar, voando por nossa conta e carrengando-o em nossas costas. As ruas pararam. As pessoas agiram. Inter-agiram. A itinerancia, o ritmo, a música, as identidades brasileiras sem muros facilitam a magia.

Para nós artistas foi um prazer imenso, uma honra apresentar em nosso quintal. No sítio de nosso cotidiano. Poder invadir a silhueta de nosso dia-a-dia.

Tudo isso tem que ser agradecido à pessoa do professor Marcos Marques.

Ele tornou possível essa oportunidade de trazer paras terras de aço uma história que cruza gerações e completa um centenário. O professor nos deu toda a estrutura necessária para que tudo desse absolutamente como o planejado, sem incidentes ou imprevistos. Facilitando os rueiros fluirem nas artérias urbanas como células de vitaminas de um sistema anêmico e obsecado pelo consumo. Mas o teatro remedia isso. O verdadeiro teatro, o mesmo que fala Artaud: “Ora, o que me parece melhor realizar em cena essa iédia de perigo é o imprevisto objetivo, o imprevisto não nas situações mas nas coisas, a passagem intempestiva, brusca, de uma imagem pensada para uma imagem verdadeira(…)”.

O inesperado, as surpresas, os sustos, são temperos que misturados com a transpir-ação, com o suor dão um toque especial ao brado daqueles que defendem, como guerreiros, sua arte e o mais fascinante disso tudo é que a platéia entra na gira, na espiral catártica, no êxtase ritualístico e no final… ah… no final… todos parecem saltar a fogueira das bacantes!
Teatro é feito de vivência, feito de atores e espect-atores, de ação. Usamos pouco a palavra, mas fechamos tudo com uma ciranda dedicada a ela, a alavanca forte, ela que sempre volta alente a essa verdade.

Evoé!

fotos de Raquel Devechi

Bianco Alegria

.

voando

.

luziana
.

maculele

.

eucrid

.

 estandarte

.

forte

.

OgAAAIK7unY_O_evWsz9OmaJPBo7_mYsM1bcmFd1ayH2La2dItMrAokf9EDwMJiTyXU3IWLxHVomm9Kz12GtY9U9mqAAm1T1UMphPqNTaLc2-WYQIeXfV9M980cE

.

————————————————————————————————

 O espetáculo “Cantos de Euclides” integra a programação do I Encontro de Engenharia do Sul Fluminense, realizado pela UFF com apoio cultural da Prefeitura Municipal

                                                                                       Um homem me salvou, da guerra essa memória!

A partir das 11 horas da manhã da próxima terça-feira (20), 30 artistas vão movimentar o principal centro comercial de Volta Redonda, durante os 40 minutos do espetáculo itinerante “Cantos de Euclides”, em homenagem aos 100 anos da morte do célebre autor de “Os Sertões”, Euclides da Cunha.

O espetáculo, que estreou este ano na FLIP (Festa Literária de Paraty), é realizado pelo ‘Coletivo Teatral Sala Preta’ em parceria com o Espaço Cultura Francisco de Assis França (ECFA). A encenação terá início no Teatro Gacemss II, com uma grande roda de maculelê. Através de ritmos populares como o maracatu, samba de roda, baião, moda de viola e ciranda, a peça se estende à Vila Santa Cecília, em frente ao Memorial Getúlio Vargas, Cine 9 de Abril e termina Praça Brasil para contar as fases da vida de Euclides como militar, engenheiro, arquiteto, jornalista e escritor.

 

A obra integra a programação do I Encontro de Engenharia do Sul Fluminense, que será realizado pela Universidade Federal Fluminense (UFF) de Volta Redonda com apoio cultural da Prefeitura Municipal, cuja agenda homenageará Euclides da Cunha.

cavalos alados pesados

O espetáculo, apresentado pela primeira vez em Volta Redonda, além da FLIP, já passou por Cantagalo, cidade natal de Euclides, onde os atores acenderam a chama euclidiana em homenagem ao centenário da morte do escritor, e participou, no fim de setembro, da Semana Euclidiana, que aconteceu na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

A história, levada para a linguagem teatral pelos atores Danilo Nardelli, Bianco Marques e Rafael Crooz, é uma adaptação do livro “Quatro Cantos de Euclides”, do autor barramansense Thiago Cascabulho.

Mais informações sobre os grupos: http://www.salapreta.wordpress.com e http://www.ecfa.com.br.