Arquivo

Monthly Archives: Dezembro 2010


O Espaço Cultural Francisco de Assis França (ECFA) promoverá sua tradicional Festa de Natal. O evento acontecerá na madrugada do dia 25, a partir de 1 hora, na Sede da Instituição, em Volta Redonda.

Entre as atrações previstas para o Natal do ECFA estão as bandas BLOCODECONCRETO e Caramujo Africano. Entre os convidados, a Festa de Natal contará com a participação especial da Banda do Pilão – com o boi pintadinho – e o Coletivo Bamba, encerrando a festa ao som de muito samba.

Os ingressos serão vendidos somente durante o evento, na portaria da Instituição.

 

Serviço

Data: 25/12/2010

Hora: 01h00m

Local: Sede ECFA (Rua Mariana do Carmo Reis, nº 545, Vila Mury – Volta Redonda/RJ)

Preço: R$10,00

Ainda que não se sintam diretamente atendidos ou interessados na causa, todos os cidadãos fluminenses poderão ser beneficiados de alguma maneira com lonas culturais nas cidades do interior.
 
Por isso, pedimos que apoiem o abaixo-assinado para enviar ao Governador Sergio Cabral solicitando que dê andamento à Indicação Legislativa 1072/10 do Deputado André Lazaroni.
Assine e divulgue. Uma corrente dessa vale a pena!

Ele propõe a criação de pelo menos uma lona cultural em cada município fluminense.
 
É importante que tenhamos assinaturas suficientes para que sensibilize o governador em dar andamento à proposta.
Uma cópia do documento será enviada à Secretaria de Cultura do Estado que também pode fazer algo em relação aos próximos passos.
O objetivo é que parta um projeto de Lei do Executivo, para que ainda seja aprovada na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.
 
Espero que divulguem à todos os interessados que conhecem. Principalmente, mas não exlcusivamente, do Estado do RJ.
 
O link para assinar é http://www.peticaopublica.com.br/?pi=LonaCult
 
É importante dizer a organização cultural que participa e a cidade do signatário, pois fortalece a amplitude do movimento.
 
Continuamos na luta!

Encaminhamos uma mensagem recebida!

É IMPORTANTE DIVULGAR
PARA SUAS LISTAS DE ARTISTAS
E APOIADORES DA ARTE LIVRE

Manifestação Artística Pacífica pelo direito CONSTITUCIONAL de fazer arte nas ruas e de passar o chapéu, porque gorjeta não é comércio, é doação.

Dia 20 às 12h no MASP – Av. Paulista

Não deixe de comparecer. Vamos dizer qual a cidade que queremos para nós.

Artistas e cidadãos!

Como sabem, a prefeitura de São Paulo e a Polícia Militar iniciaram uma des-ação entitulada “Operação Delegada”, que visa retirar o comércio ambulante das calçadas da av. Paulista.
A questão é que estão retirando os artistas que pela Paulista atuam, alegando que estes artistas de rua são também comerciantes ilegais.

Esta proibição aos artistas é inconstitucional!!!
*”Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;”*Extraído da Constituição brasileira de 1988.
Chamamos a todos para uma Manifestação Pacífica na av. Paulista no

dia 20 de dezembro, das 12h ás 14h.

Ações
Cortejo saindo do Masp(1), seguindo até a esquina com a rua Augusta(2), atravessando a avenida e voltando pela calçada do Conjunto Nacional(3) até a altura da Gazeta(4), atravessando novamente a avenida e seguindo pela calçada de volta ao Masp(5).

Durante o cortejo, alguns artistas coletarão assinaturas da população em apoio á causa dos artistas na rua e distribuirão panfletos com os dizeres: Eu apoio os artistas na rua!
O cortejo finaliza com a leitura de uma carta manifesto pró artistas na rua.Todo o percurso será feito pelas calçadas sem intervir no fluxo de trânsito local de automóveis.
É fundamental que haja um quórum considerável pra que a manifestação tenha força.

Apoiem, divulguem, participem!!!

palhacada@yahoogrupo
Quem quiser participar da organização, confeccionar cartazes, ensaiar músicas e performances, pode comparecer no Nosso Espaço dia 19 às 17h: Rua Cardoso de Almeida, 54, 3ºandar – Perdizes – perto do metrô Barra Funda. F. 2478-2451.

Em 7 de dezembro de 2010 03:04, Rafael Crooz escreveu:

Seria muito dizer que o Tomada Nasceu?

Hoje foi um dia lindo. Chegamos nas ruas da periferia de Barra Mansa. Mas Dan, outra coisa, não é a primeira vez que vamos pros bairros como você disse na Vila Ursulino… rapaz, você num lembra que já fizemos o Gonzaga na própria Vila Ursulino? E a Festa do trabalhador nas Vistas Alegres? E o Viúvas na Colônia…? Eu e Fabinho de perna-de-pau lá na Várzea?

Claro que sei que são ações muito diferentes, pois nestas ocasiões fomos uma pequena cereja do bolo. E é obvio também que entendo porque dizer que é a primeira vez que a Sala Preta vai aos bairros de Barra Mansa… pois que é a primeira vez que vamos lá com nossas pernas. Com nossas ânsias, desejos e vontades!

Eu fiquei muito emocionado, por vários motivos! Eu entrei naqueles lugares e me perguntava o que havia de diferente ali que não havia nas comunidades que atendemos no Equador? A diferença, como bem disse a Jéssica, é que naquele morro ali na frente não era a Colômbia e era apenas um brejo…

Mas não, claro que tinha algo diferente… no texto final, de agradecimento nós dizemos: “Nós somos o Coletivo Teatral Sala Preta, DAQUI DE BARRA MANSA MESMO, e viemos para trazer um pouco mais de alegria para todos vocês”. E sabe o melhor de dizer isso? É dizer que amanhã vamos voltar e vamos mesmo!

Eu lembro do menino de Puerto el Carmen nos perguntando quando voltaríamos e nós, no nosso mais profundo cinismo dizíamos: “ano que vem estaremos de volta”, sem nem mesmo saber se aquele sorriso ingênuo e feliz estará ali quando voltarmos… SE voltarmos.

Apresentar na periferia de Barra Mansa me fez pensar muita coisa.

A gente apresentou numa esquina. Fizemos dois merdas em duas encruzilhadas. Paramos a rua. Na verdade não. Nós não paramos nada, porque estávamos na calçada, a platéia quem parou tudo. A platéia dizia assim… “O João! Vem ver rapá… eles tão de sacanagem! É teatro!”

E na Vila Ursulino quando o Quinzin sacou a arma? Neguinho tocou o zaralho… tinha espaço pra caralho e neguinho saiu correndo pra tudo quanté canto!

O mais gostoso de tudo foi chegar nas comunidades e as crianças e mulheres na rua já esperando o Tinhátru!

_ô moço, o show já passou?

_ Ei, num era você que tava de perna de pau lá em Barra Mansa? Entregando panfretinho?

_Hu trabái de vocês é muito bão. Eu sou evangélico, da Assembléia… mas é muito bão mermo!

_Nunca tinha visto teatro de rua não! Aqui no bairro num tem dessas coisas não… o pagode que tinha aqui us vizin recramaro e daí parô ca bagunça.

Não…. no barato, barato mermo, o melhor de tudo, o mais emocionante foi no Nove de Abril, quando terminamos a peça e os aplausos calorosos vinham acompanhados, antes mesmo que fizémos a reverência, de gritos pedindo: “Mais um! Mais um! Mais um!” e o Dan… “ha mais vocês querem mais um? Então amanhã venham neste mesmo horário e neste mesmo local que você terão um pouquinho mais dessa história…”

Bom, é realmente desoriantador a sensação de girar no terreiro, abrir o caminho e galopar sem parar!

Viúvas, merdão! O terreno está limpo e a barra mansa!

Todos estarão esperando por vocês amanhã… eles estão anciosos para ver o teatro pelas ruas…!

Jackson, tem rumores ae dizendo que está rolando uma aposta que na quarta será o dia que terá mais público em função da divulgação, do boca a boca… então meus nego, RESPONSA!

Pretos, muito obrigado.

Meus humores alterados, minhas falas teimosas não são nada perto do que sou agora: alegria!

Jéssica, para você um sorriso.

; )

Delle, quando falo… Falo com dureza… mas não é nada pessoal… tá, gato? se apaixona não!

Alegria de ver que nossas principais metas traçadas em Janeiro para o Coletivo foram alcançadas. Estamos devendo apenas uma festa… e um estatuto… mas cumprimos e estamos cumprindo cada etapa!

Amanhã estou de apoio… pro que der e vier! Mas também para a que vier e der… fica a dica!

O cú pá AÇÂO, tomá du Bana é artchin cena merdão .

Rafael Crooz

‘Coletivo Teatral Sala Preta’ realiza confraternização cênica nas ruas de Barra Mansa

A programação conta com cinco espetáculos que serão apresentados dentro da TOMADA URBANA ATO II

Com a finalidade de levar ao Centro de Barra Mansa e bairros carentes o teatro realizado durante os dois anos de sua existência, o ‘Coletivo Teatral Sala Preta’ apresenta a TOMADA URBANA ATO II, uma mostra independente de Teatro de rua que acontece nos próximos dias 6 a 10 de dezembro.

Após realizar sua primeira versão, em 2009, com quatro espetáculos produzidos pelo próprio grupo, o Sala Preta volta a ocupar as praças e largos de Barra Mansa, ampliando suas ações para os bairros Vila Ursulino e Nove de Abril. Em seu repertório, os atores trazem as obras “A Noiva de Gonzagão” e “O Cascudo Douradinho em: Amiga Lata, Amigo Rio”; apresentados no ano passado, além dos espetáculos “As Viúvas de Domingos”; “Prece Cósmica” e “Jackson”, última estreia do coletivo neste ano.

Os espetáculos “A Noiva de Gonzagão” e “O Cascudo Douradinho em: Amiga Lata, Amigo Rio”, integraram a programação da Red Ecuatoriana de Festivales, um importante festival internacional que aconteceu  no Equador, nas cidades de Manta, Guayaquil e na capital Quito, em setembro de 2009. Cerca de um ano depois, em agosto de 2010, estas obras continuaram sua gira internacional participando da ‘Revuelta a la mitad del Mundo: por una cultura de paz’, um projeto da Corporación Humor y Vida, de Quito no Equador. Nesta ocasião, o Coletivo Teatral Sala Preta se apresentou nas cidades de El Palmar, Tulcan e Chical, todas na fronteira equatoriana com a Colômbia.

Todas as peças da mostra são gratuitas, porém, no final de cada apresentação, o grupo irá fazer a tradicional ‘passada de chapéu’, incentivando a cultura do teatro de rua na região. Para acompanhar a programação do Coletivo Teatral Sala Preta, basta acessar o site www.salapreta.com.br.

Serviço:

TOMADA URBANA ATO II

Dia 06 de dezembro – segunda-feira

“A Noiva de Gonzagão”

19h – Vila Ursulino – Rua B, 1063 – próximo a Escola Municipal Elvino Ferreira

20h30 – Nove de Abril – Rua Jandir Luis da Rocha, 284 – próximo a Escola Nove de Abril

Dia 07 de dezembro – terça-feira

“As Viúvas de Domingos”

19h – Vila Ursulino – Rua B, 1063 – próximo a Escola Municipal Elvino Ferreira

20h30 – Nove de Abril – Rua Jandir Luis da Rocha, 284 – próximo a Escola Nove de Abril

Dia 08 de dezembro – quarta-feira

“Jackson”

19h – Vila Ursulino – Rua B, 1063 – próximo a Escola Municipal Elvino Ferreira

20h30 – Nove de Abril – Rua Jandir Luis da Rocha, 284 – próximo a Escola Nove de Abril

Dia 09 de dezembro – quinta-feira

12h30 – “A Noiva de Gonzagão” – Rua Duque de Caxias – Centro

13h – “As Viúvas de Domingos” – Rua Rio Branco – Centro

13h30 – “Jackson” – Praça da Liberdade – Centro

Dia 10 de dezembro – sexta-feira

“O Cascudo Douradinho em: Amiga Lata, Amigo Rio”

10h – Rua Custódio Ferreira Leite (Parque Centenário)

“Prece Cósmica”

17h30 – Rua Rio Branco – Centro

20hPraça da Liberdade – Centro

Sinopses:

“O Cascudo Douradinho em: Amiga Lata, Amigo Rio”

Um pequeno peixe cascudo vivia solitário em rio muito poluído. Um dia, enquanto procurava comida, uma lata de alumínio dourada ficou presa em sua nadadeira, e passou a ser a sua única companheira. Por isso, ele recebeu o apelido de Douradinho. Eles nadam contra a corrente a procura de um paraíso, a nascente do rio. No caminho, eles conhecem personagens que explicam ao peixinho as causas da poluição e indicam formas de combatê-la.

Elenco: Rafael Crooz, Danilo Nardelli e Bianco Marques.

 

“A Noiva de Gonzagão”

“A Noiva de Gonzagão”, que homenageia os 20 anos da morte de Luiz Gonzaga do Nascimento, o rei do baião, é uma curta apresentação que aproxima toda a popularidade do autêntico representante da cultura nordestina com o público. Ao narrarem a história da Noiva Maria, os atores criam uma identificação com a platéia logo de início, convocando o público a cantar grandes sucessos e a conhecer a história de vida do Rei do Baião.

Elenco: Rafael Crooz, Danilo Nardelli, Bianco Marques e Suzana Zanna.

“As Viúvas de Domingos”

O espetáculo conta a história da viuvez de três mulheres apaixonadas pelo seu homem. No desenrolar da apresentação, elas descobrem que enviuvaram do mesmo Vanô, um cabra safado e caçador de dotes.

Elenco: Thiago Delleprane, Nathália Dias Gomes, Jéssica Zelma e Clarissa Anastácio.

 

“Prece Cósmica”

Um espetáculo teatral que aborda a temática bíblica acerca do nascimento do menino Jesus, contada a partir dos personagens masculinos da história. Referenciando-se na vanguarda do rock brasileiro, a peça propoê uma nova leitura das cancções de grupos como Secos e Molhados e Os Doces Bárbaros, que conduzem a narrativa deste Auto de Natal.

Elenco: Bianco Marques, Danilo Nardelli, Fabio Lacerda, Léo José, Thiago Delleprane.

“Jackson”

Baseado na obra “A Pena e a Lei” de Ariano Suassuna, a Sala Preta conta a história e sua trajetória da Paraíba ao Rio de Janeiro. A obra trás para cena personagens de suas músicas como Sebastiana e Joana, além do personagem que inspirou seu nome artístico, o Jack Parry, um mocinho de filmes de faroeste. O ritmo marcante, a pulsação do samba e o gingado desse som brasileiro é a marca forte da história de um dos nomes mais importantes da nossa música.

Elenco: Bia Luz, Pedro Ernesto Du Rocher, Rafael Crooz e Rodrigo Pinho.